Vietnã: resistência e renovação de uma Nação

Eles já venceram algumas das maiores potências do mundo: França, China, Japão e Estados Unidos. E conseguiram unificar o país sob o regime comunista após a Guerra do Vietnã, em 1975, quando quase foram devastados. Podemos dizer que são notáveis, inclusive porque hoje estão crescendo a índices considerados muito bons: 7,4 % em 2018.

Hoje, o Vietnã é um país amigo de todos os inimigos do passado, tanto da guerra da Indochina quanto do Vietnã, e trabalha para levar o desenvolvimento para a sua população.

Foto de combate na Guerra do Vietnã, em 1965. Domínio Público.

Eles fizeram reformas econômicas, criando ambiente favorável a empresários locais e estrangeiros, adotaram política de crédito com taxas favoráveis para os pequenos comerciantes, como camponeses, jovens e mulheres. Além disso, fazem um controle rígido da corrupção e facilitam os investimentos da iniciativa privada. O resultado? Nos últimos 30 anos, o Vietnã atingiu crescimento médio de 5,7%. O PIB (Produto Interno Bruto) vietnamita vem ao aumentando, passou de 6,5%, em 2017, para 7,4% em 2018. A inflação permanece abaixo dos 4% e a produtividade aumenta.

Camponês durante o trabalho no Vietnã.

O Vietnã ainda não chegou ao fim de sua guerra pessoal. Tem desafios pela frente. Como quase todas as nações do mundo, enfrenta a corrupção, o desperdício de dinheiro público e de utilização de bens. Mas está enfrentando as adversidades com a mesma garra que encarou as nações inimigas no passado.

O embaixador do Vietnã posa para foto durante entrevista, na sede da representação diplomática, em Brasília. Foto: Claudia Godoy.

O embaixador do Vietnã, Do Ba Khoa, levará, em maio, para o seu país, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Em Hanói, ela irá se encontrar com o colega vietnamita com o intuito de adotar medidas que levem a uma abertura maior dos mercados entre os dois países.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Foto: CNA.

A estratégia do governo brasileiro com os vietnamitas não é de guerra, mas de incremento no comércio entre as duas nações. No ano passado, o volume de comércio bilateral atingiu US$ 4,5 bilhões. Já são mais de 30 anos de relações diplomáticas. “Os governos criaram relações sólidas de parceria e cooperação. Esperamos que o novo governo continue assim”, disse o embaixador do Vietnã. Khoa acredita que ainda há muitos entraves comerciais que se desfeitos levarão os negócios entre os dois países a novos patamares. “Há espaço para aprofundarmos”, afirmou.

Soja brasileira sendo colhida para exportação. Foto: Agência Brasil.

Os vietnamitas compram do Brasil produtos como milho, ração animal, couro e soja. Nos vendem telefones, computadores, calçados, têxteis, produtos de aço. “O volume de comércio cresce de forma significativa graças a esforços bilaterais. Há esforços de empresários dos dois países, além de autoridades locais, que promovem a cooperação “, informa o embaixador do Vietnã no Brasil.

Do Ba Khoa, o embaixador vietnamita, em Brasília, é um diplomata experiente e profundo conhecedor da atualidade de seu país. Foto: Claudia Godoy.

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

1 thought on “Vietnã: resistência e renovação de uma Nação

  1. I would like to thnkx for the efforts you have put in writing this blog. I am hoping the same high-grade blog post from you in the upcoming as well. In fact your creative writing abilities has inspired me to get my own blog now. Really the blogging is spreading its wings quickly. Your write up is a good example of it.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.