Reprimidas pela Índia, mais de cem mil pessoas já morreram na Caxemira

O embaixador do Paquistão, Najm us Saqib (foto),  disse nesta quarta-feira (05), em Brasília, que o número de mortos em Jammu e Caxemira em função de conflito com a Índia já chega a cerca de 100 mil pessoas desde 1989, quando ocorreu a insurgência da população contra o poder indiano na região.

O embaixador do Paquistão, Najm us Saqib (ao centro), durante a entrevista coletiva, na sede da representação diplomática em Brasília. O primeiro-secretário da embaixada, Azeem Ullah Cheema, está ao lado direito do embaixador, de terno cinza. Foto: Claudia Godoy.

Além disso, disse o embaixador, outras 25 mil pessoas estão desaparecidas. Us Saqib informou, ainda, que gangues de estupradores agem na região cometendo crimes violentos contra as mulheres e muitas crianças estão desaparecendo.

A repressão à população de Caxemira é violenta. Foto: divulgação.
O primeiro-secretário da embaixada paquistanesa, em Brasília, Azeem Ullah Cheema. Foto: Claudia Godoy.

Também presente à entrevista, o primeiro-secretário da embaixada do Paquistão, Azeem Ullah Cheema, afirmou que a população da Caxemira já vive em estado de sítio por mais de 180 dias, ou seja, seis meses confinada. “Um dos piores tratamentos possíveis”, disse o diplomata. “A maior concentração militar da área “, informou Cheema, acrescentando que o povo da região já sofre há sete décadas. “A Índia tenta mudar a demografia da região. Não são apenas muçulmanos, mas também cristãos e outras minorias que vivem lá”, disse Cheema. Ainda de acordo com o diplomata, a repressão da Índia em Caxemira aumentou nos últimos anos e só irá acabar quando a liberdade chegar.

Uma grande parte da Caxemira está localizada nas montanhas do Himalaia. As nascentes do Ganges e Indo, principais rios da Índia e do Paquistão, respectivamente, estão localizadas na região. Foto: embaixada do Paquistão.
Mapa da região, com Jammu e Caxemira em laranja. Foto: divulgação.

O governo indiano impôs toque de recolher à população da Caxemira e cortou as comunicações com o intuito de mudar a demografia da região.
Após a independência da Índia do Império Britânico, em 1947, ficou acertado que o país seria dividido entre as maiorias hindus e muçulmanas, com estes últimos formando o Paquistão. A região da Caxemira é majoritariamente muçulmana e resolução do Conselho de Segurança da ONU (Nações Unidas) pede plebiscito para que a população decida o seu futuro.

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.