Embaixador chinês diz que China não aceita interferência em Hong Kong

O embaixador da China, Yang Wanming, lamentou a violência em Hong Kong e acusou Washington de tentar atrapalhar o desenvolvimento chinês. “Não aceitamos interferências nos assuntos internos chineses “, disse Wanming. A declaração foi durante a celebração pelos 20 anos de retorno de Macau à China, na embaixada chinesa, em Brasília.

O embaixador chinês discursa em celebração aos 20 anos de retorno de Macau à China. Foto: Claudia Godoy.
#paracegoedeficientevisual: na foto acima o embaixador chinês usa terno azul e gravata laranja e está atrás de um púlpito com brasão chinês. Dos dois lados do embaixador há bandeiras do Brasil e da China. Há ainda um painel atrás dele onde está escrito em mandarim e português em letras douradas: 20 em comemoração ao 20 aniversário do retorno de Macau à China.

Wanming lembrou que o presidente da China, Xi Jinping, esteve no Brasil, recentemente, para o encontro do BRICS e ressaltou a necessidade de se conter a violência e restaurar a normalidade em Hong Kong.

O embaixador e a embaixatriz chinesa durante celebração na embaixada. Foto: Claudia Godoy.
#paracegoedeficientevisual: o embaixador chinês e a embaixatriz conversam com um senhora chinesa que está trajando vestido rosa. O embaixador usa terno azul e gravata laranja e a embaixatriz está com casaquinho cinza e blusa.

“É lamentável ver a violência em Hong Kong nos últimos 6 meses. A ameaça ao Estado de Direito”, disse Wanming, ressaltando que manifestantes atuam contra os direitos humanos e acusam os policiais de estarem tentando restaurar a ordem pública.

Sobre os 20 anos de retorno de Macau à China, Wanming lembrou que o ano foi memorável para as relações. “Com mais intercâmbio de alto nível e enriquecimento da cooperação com Macau fazendo crescer a nossa estratégia “, disse o embaixador chinês.

Macau e Hong Kong são regiões administrativas especiais da China. As duas regiões estão a cerca de uma hora de viagem uma da outra. Sob o princípio de “um país dois sistemas” criado pelo líder supremo da China, Deng Xiaoping, nos anos de 1978 a 1990, Hong Kong e Macau antes eram controlados por Inglaterra e Portugal, respectivamente, mas voltaram a ser territórios chineses. Hong Kong se tornou região autônoma em 1997, dois anos antes de Macau.

As duas regiões. Foto: divulgação.
#paracegoedeficientevisual: acima há uma foto que une Hong Kong e Macau lado a lado. Mostra as duas cidades com edifícios modernos e iluminados
As fotos são noturnas.
Um mapa que mostra a proximidade de Hong Kong e Macau. Foto: divulgação.
#paracegoedeficientevisual: na foto acima um mapa mostra a proximidade de Hong Kong e Macau. As duas regiões estão na cor verde e o restante do mapa em cinza. Há ainda um mapinha do lado esquerdo mostrando a China. O oceano é representado na cor azul.

“Nos últimos 20 anos de transferência para a China a qualidade de vida da população aumentou, com crescimento do PIB de 8,5 vezes”, disse o embaixador chinês, Yang Wanming. A região é uma das que mais crescem no planeta, disse o diplomata, destacando, ainda, a seguridade social, a educação, a saúde e os idosos. “Melhoram a cada dia”, ressaltou o embaixador.

Ele citou também os intercâmbios da região com outras partes do mundo, o turismo e o lazer. “Macau é uma das cidades turísticas mais seguras do mundo”.

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

3 thoughts on “Embaixador chinês diz que China não aceita interferência em Hong Kong

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.