Com acesso a 1 bilhão de consumidores, Sérvia quer ampliar comércio com Brasil

Eles estão em posição estratégica. Localizados no sudeste da Europa, no coração dos balcãs. E estão crescendo: 3% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado. A previsão é de outros 4% de crescimento neste ano.

O embaixador da Sérvia, Veljko Lazic, na sede da representação diplomática, em Brasília. Foto: Claudia Godoy.

“Queremos atrair investidores para fazer parcerias em vários setores e ter mais acesso ao mercado brasileiro”, disse o embaixador da Sérvia, Veljko Lazic. O diplomata estima em 1 bilhão o mercado ao qual a Sérvia tem acesso em função dos acordos comerciais que assinou com importantes blocos econômicos e países, além de seu posicionamento estratégico privilegiado.

A Sérvia possui rede de acordos de livre comércio com a União Europeia, a Federação Russa, e países como Belarus, Cazaquistão, Turquia, Japão e Austrália. Tem também as portas abertas para negócios com o CEFTA (Acordo Centro-Europeu de Livre Comércio) e com o EFTA (Associação Europeia de Livre Comércio). Os sérvios fecharam ainda acordo com os Estados Unidos no âmbito do Sistema Geral de Preferências para mais de 4.500 produtos. O comércio com o Brasil, hoje, atinge cerca de € 100 milhões, com um superávit brasileiro de cerca de 3/4 das exportações, ou € 75 milhões.

Jair Bolsonaro, fala com a imprensa após reunião com os futuros comandantes das Forças Armadas, no Comando da Marinha, em Brasília. Foto: Agência Brasil.

Para Lazic, o mercado brasileiro ainda é fechado. “Há problemas com a burocracia, alfândega e sistema tributário”, disse o embaixador da Sérvia. Com a eleição do presidente Jair Bolsonaro, o embaixador diz que a expectativa é de mais abertura. “Sabemos que o processo é lento, mas é nossa expectativa. Especialmente na Agricultura”, disse.

A Sérvia foi um dos poucos países europeus a enviar representante para a posse de Bolsonaro. A vinda do vice-primeiro-ministro e chanceler sérvio, Ivica Dacic, no início do ano, sinalizou a disposição em dar continuidade às boas relações com o novo governo.

O embaixador informou que o comércio entre Brasil e Sérvia vem se mantendo estável nos últimos anos, com uma queda de 20 a 30% provocada pela recessão brasileira.

“Temos projetos que estão sendo analisados”, disse o embaixador sérvio.

Os sérvios estão interessados em vender e transferir tecnologia para o Brasil com o intuito de impulsionar as relações . “Temos projetos que estão sendo analisados pelo governo brasileiro. Já estamos tentando há algum tempo”, informou Lazic. Os sérvios têm, ainda, potencial para aumentar o comércio de têxteis (meias), calçados, fármacos e TI (Tecnologia da Informação), com investimentos em “start ups”. A mão de obra sérvia é qualificada e barata, além disso eles possuem livre comércio com vários blocos comerciais.

Laranja brasileira. Foto: Agência Brasil.

A Sérvia importa do Brasil café, tabaco, carne bovina/frango, ferro e suco de laranja congelado.

As tripas artificiais servem para preparar embutidos como as linguiças e salames.

Eles nos vendem pneus, geradores, artigos de plástico, transformadores, além de tripas artificiais de proteínas endurecidas. Esta última para preparação de embutidos.

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.