Carnaval na Eslovênia: vida tem que ter humor e graça, seja o ano bom ou ruim, a temporada, fértil ou erma

Na quarta-feira de cinzas os foliões de Ptuj, a cidade mais antiga da Eslovênia, enterram um boneco que simboliza todos os males, o “pust”. O Carnaval da Eslovênia está entre os dez melhores do mundo, de acordo com a revista lonely Planet, junto ao de Veneza, Rio de Janeiro e Nova Orleans.

Na festa há desfile de bufões com máscaras demoníacas, uma mistura das celebrações ocidentais e o antigo paganismo eslavo. Os eslovenos aproveitam para fazer competições, exposições, feiras e bailes de máscaras. Eles aproveitam para comer comidinhas especiais, mais calóricas para suportar os dias de festa com mais tranquilidade.

O Carnaval esloveno de Ptuj é celebrado desde 1960 e este ano terminou em meados de fevereiro.

O Carnaval esloveno se divide em três partes que começam espantando o inverno, seguido de desfile de fantasias que invoca a primavera e a fertilidade, para terminar com a passagem de figuras grotescas para divertir os espectadores.

Fantoches extravagantes, chamados de kurenti, carregam cinturões com grandes sinos atados que devem assustar o inverno e as forças do mal. O kurenti se veste de pele de ovelha com cornos de touro, máscara demoníaca, meias de lã e sapatos pesados. Ele leva na mão esquerda um mangual ou chicote de armas, que se usava na Idade Média.

Outra roupa utilizada pelo kurenti é feita de plumas de ave e máscara com bico com outros elementos com influência animal.

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.