Bolsonaro janta com diplomatas árabes e muçulmanos para tentar conter retaliações à carne brasileira

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu, na noite desta quarta-feira (10), em Brasília, com diplomatas árabes e muçulmanos com o intuito de evitar boicote à carne brasileira. Ele jantou com 42 representantes de países que poderão adotar boicote aos produtos brasileiros em função da política adotada pelo governo em relação à questão palestina.

O conselheiro da embaixada do Paquistão (país muçulmano), Azeem Ullah Chema, com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante o jantar, na CNA.

O jantar foi promovido pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina. O Brasil exporta frango para 57 países islâmicos e 22 árabes. Cerca de 40% da carne de boi e 45% do frango brasileiros vão para os árabes.

Os convidados com Bolsonaro ao fundo, na sede da CNA, em Brasília.

Bolsonaro visitou Israel, na semana passada, e acabou irritando a comunidade árabe /islâmica, que já anda estremecida com o governo brasileiro em função das notícias de transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.

Depois de vários desmentidos, o país optou por instalar um escritório comercial em Jerusalém, o que também não foi visto com bons olhos pelos árabes.

Durante a visita a Israel, Bolsonaro não visitou os lugares sagrados para os palestinos, o que também teria irritado o mundo árabe.


.

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

2 thoughts on “Bolsonaro janta com diplomatas árabes e muçulmanos para tentar conter retaliações à carne brasileira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.