Bolsonaro define equipe sob influência de militares, políticos e economistas liberais. Duas mulheres, três famosos e nenhum negro.

Desde cedo cercada de muita expectativa, a formação da equipe ministerial do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), parece ter chegado ao fim. Até agora, foram anunciados 22 ministros.

Políticos, militares e economistas liberais foram os grandes vencedores na definição do perfil do próximo governo do Brasil.

Incluídos oficiais da reserva e especialistas formados em instituições militares de ensino superior, seis militares farão parte do novo governo. O número é o maior desde a redemocratização.

Sete ministros escolhidos são de partidos políticos. Destes, três são do DEM e outros três, do PSL, partido do presidente eleito.

Os economistas liberais emplacaram dois nomes fortes. Apenas duas mulheres fazem parte do primeiro escalão e nenhum negro foi escolhido.

Três nomes escolhidos por Bolsonaro foram surpreendentes porque são muito famosos. Um é o do juiz Sérgio Moro, que será ministro da Justiça e Segurança Pública. Outro, o astronauta Marcos Pontes, que será ministro da Ciência e Tecnologia no futuro governo, e Ricardo Vélez Rodriguez, filósofo colombiano, que será ministro da Educação.

Leia nas próximas edições de (www.bacuribrasil.com.br), o perfil de cada um deles. 

Author: Claudia Godoy

Jornalista e fotógrafa, atuei na cobertura de imprensa nos Ministérios da Fazenda, Agricultura, Planejamento, Indústria e Comércio, Relações Exteriores, Saúde, Educação, além de Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Banco Central. Também repórter e produtora de rádio e tv.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.